Arquivo para junho, 2009

Ingressos grátis para teatro!

Posted in Grátis, Teatro on junho 23, 2009 by Cá Oliveira

Está rolando um projeto que está distribuindo gratuitamente 30.000 ingressos para várias peças que estão em cartaz em São Paulo, algumas, aliás, muito, muito boas!

Mais informações no site:

http://www.festadoteatro.com.br/

Recomendo:

Aldeotas (peça extremamente sensível, poética e intensa)

Agreste (ainda não vi , mas ela foi altamente recomendada por muitas pessoas nas quais confio bastante no “gosto teatral”)

Filosofia na Alcova (bem forte, não é todo mundo que gosta, é baseada nos escritos do Marquês de Sade. Eu gostei bastante!)

Melhor não incomodá-la (ótima, é uma adaptação de um belo conto do Júlio Cortazar)

Anúncios

Um homem de moral – Paulinho Vanzolini

Posted in Cinema, Música on junho 12, 2009 by Cá Oliveira

Belo documentário de Ricardo Dias sobre a obra de Vanzolini – o filme mostra várias facetas  deste grande compositor paulista!

Segue a letra de uma de suas músicas que eu amo!!

Capoeira Do Arnaldo

informe o(s) compositor(es)

Quando eu vim da minha terra
Passei na enchente nadando
Passei frio, passei fome
Passei dez dias chorando
Por saber que de tua vida
Pra sempre estava passando
Nos passo desse calvário
Tinha ninguém me ajudando
Tava como um passarinho
Perdido fora do bando
Vamo-nos embora, ê ê
Vamo-nos embora, camará
Presse mundo afora, ê ê
Presse mundo afora, camará

Quando eu vim da minha terra
Veja o que eu deixei pra trás
Cinco noivas sem marido
Sete crianças sem pai
Doze santos sem milagre
Quinze suspiros sem ai
Trinta marido contente
Me perguntando “já vai?”
E o padre dizendo às beata
“Milagre custa, mas sai”

Vamo-nos embora, ê ê (…)

Quando eu vim da minha terra
Num sabia o que é sobrosso
Sabença de burro velho
Coragem de tigre moço
Oração de fechar corpo
Pendurada no pescoço
Rifle do papo-amarelo
Peixeira de cabo de osso
Medalha de Padre Ciço
E rosário de caroço
Pra me alisar pêlo fino
E arrepiar pêlo grosso
Que eu saí da minha terra
Sem cisma
Susto ou sobrosso

Vamo-nos embora, ê ê (…)

Quando eu vim da minha terra
Vim fazendo tropelia
Nos lugar onde eu passava
Estrada ficava vazia
Quem vinha vindo, voltava
Quem ia indo, não ia
Quem tinha negócio urgente
Deixava pro outro dia
Padre largava da missa
Onça largava da cria
E os pai de moça donzela
Mudava de freguesia
Mas tinha que fazer força
Porque as moça num queria

Vamo-nos embora, ê ê (…)

Eu sai da minha terra
Por ter sina viageira
Cum dois meses de viagem
Eu vivi uma vida inteira
Sai bravo, cheguei manso
Macho da mesma maneira
Estrada foi boa mestra
Me deu lição verdadeira
Coragem num tá no grito
E nem riqueza na algibeira
E os pecado de domingo
Quem paga é segunda-feira

Vamo-nos embora, ê ê (…)

fonte:http://www.letras.com.br/paulo-vanzolini/capoeira-do-arnaldo